Banco Central aprimora regras de políticas de prevenção à lavagem de dinheiro

O Banco Central aprimorou as regras relativas às Políticas de Prevenção à Lavagem de Dinheiro e Financiamento do Terrorismo (PLDFT). A partir de julho deste ano, as instituições autorizadas deverão fazer avaliação interna de risco específica para o risco de lavagem de dinheiro, que deverá considerar os perfis de todos os seus clientes, da instituição, dos produtos e serviços e dos funcionários, parceiros e terceirizados, sem exceção. Com a mudança, haverá maior responsabilização das instituições reguladas sobre os procedimentos destinados a conhecer os clientes, exigindo processos mais dinâmicos que acompanhem a evolução do risco do cliente na utilização dos produtos e serviços.

O objetivo das mudanças é dar maior eficiência e efetividade aos procedimentos adotados na prevenção à lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo (PLDFT), ampliando a adoção de abordagem com base no risco, que prevê a aplicação de controles reforçados para as situações de maior risco e de controles simplificados nas situações de menor risco.

Foram aprimorados, ainda, os procedimentos destinados a conhecer os clientes, sem exceção, que devem compreender a identificação, a qualificação e a classificação do cliente, por meio da coleta, verificação e validação de informações, compatíveis com o perfil de risco, com a natureza da relação de negócio, com a política de PLDFT e com a avaliação interna de risco da instituição. Esses procedimentos, destinados a conhecer os clientes, devem ser reavaliados de forma permanente, de acordo com a evolução da relação de negócio e do perfil de risco do cliente.

Em relação ao registro das operações, a nova regulamentação passa a abranger todos os produtos e serviços oferecidos pela instituição, independentemente do valor da operação. Esses registros deverão conter informações que permitam identificar as partes envolvidas na operação, inclusive a origem e o destino dos recursos, no caso de operações relativas a pagamentos, recebimentos e transferências de recursos, por meio de qualquer instrumento.

No caso de operações com utilização de recursos em espécie de valor individual superior a R$2.000,00 (dois mil reais), as instituições devem incluir no registro, além do nome e do número de inscrição no CPF ou no CNPJ do titular e do beneficiário da operação e da identificação da origem e do destino dos recursos, o nome e o respectivo número de inscrição no CPF do portador dos recursos. No que diz respeito às comunicações de operações suspeitas ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), foram definidos prazos específicos para as etapas de monitoramento, seleção, análise e comunicação, o que possibilitará maior eficácia na utilização dessas informações nos trabalhos de inteligência financeira.

A nova regulamentação prevê, ainda, a obrigatoriedade de as instituições implementarem procedimentos destinados a conhecer seus funcionários, parceiros e prestadores de serviços terceirizados, incluindo procedimentos de identificação e qualificação. As instituições reguladas devem avaliar periodicamente a efetividade da política, dos procedimentos e dos controles internos, com a elaboração de plano de ação destinado a solucionar as deficiências identificadas. Para isso devem estabelecer mecanismos de acompanhamento de modo a assegurar a implementação e a adequação da política, dos procedimentos e dos controles internos estabelecidos na norma.

Por fim, nos procedimentos de qualificação dos clientes incluem-se a verificação da condição do cliente como Pessoa Exposta Politicamente (PEP), bem como de seus representantes, familiares ou estreitos colaboradores, em linha com as recomendações internacionais. A nova regulamentação amplia o rol de PEPs no âmbito do governo – Executivo, Legislativo, Judiciário, Ministério Público e empresa estatal – nas esferas federal, estadual e municipal..

 Fonte: https://www.bcb.gov.br/detalhenoticia/407/noticia

Aviso Legal

A INDIGO Investimentos DTVM LTDA., preza pela qualidade das informações compartilhadas. Apesar todo o cuidado aplicado na coleta destas informações, não nos responsabilizamos pela publicação adventícia de dados incorretos. As notícias, matérias e opiniões aqui veiculadas, não representam necessariamente a nossa opinião, sendo divulgadas apenas em caráter informativo. Não oferecemos segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita sobre a veracidade ou exatidão das informações e conteúdos aqui veiculados.

Algumas das informações aqui apresentadas podem ter sido obtidas de fontes públicas como a Comissão de Valores Mobiliários, “CVM”, Banco Central do Brasil “BACEN”, Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais “ANBIMA”, entre outros. Em atendimento à Lei n.º 9610/98, “Lei de Direitos Autorais”, ressaltamos que, sempre que necessário citamos todas as fontes das informações divulgadas, não nos responsabilizando por perdas e danos, custos e lucros cessantes. Em casos de autoria, havendo discordância da divulgação, ou ausência da menção à esta, basta o autor solicitar que a matéria será removida dos nossos meios.

Voltar Topo Enviar a um amigo Imprimir Home