Fundo administrado pela Indigo arremata concessão de estádio em São Paulo

Processo de concessão foi liberado pelo TCM. Empresa vai poder explorar estádio por até 35 anos.

Com menos futebol e mais eventos, estádio emblemático ganhará ares de centro comercial para voltar a atrair público

Inaugurado em 1940, em um bairro então- pouco habitado, o Estádio Municipal Paulo Machado de Carvalho, o Pacaembu, que foi palco de seis jogos na Copa do Mundo de 1950, viverá sua mais importante transformação em oito décadas. Após a assinatura de um contrato, o espaço, composto de uma piscina olímpica, duas quadras de tênis e um ginásio poliesportivo, além do campo, passará a ser administrado pelo Consórcio Patrimônio SP por 35 anos. O grupo, formado pelas empresas PROGEN e SAVONA Fundos de Investimentos, pagará 111 milhões de reais à prefeitura e promete investir outros 300 milhões de reais no complexo.

Previsão de um público diário de 5 mil pessoas

Para gerar atratividade financeira, a empreitada do deficitário centro esportivo prevê a demolição do tobogã, arquibancada inaugurada no início da década de 70 em substituição à histórica concha acústica. No seu lugar será erguido um prédio de cinco andares (mais quatro subsolos), com 44 000 metros quadrados de área construída. O projeto é da arquiteta Sol Camacho, do escritório Raddar. Do nível do gramado para cima, os dois primeiros pavimentos serão alugados para escritórios e firmas de serviços, como bares e restaurantes. A ideia é buscar companhias de coworking e empresas da economia criativa. Na alimentação, a expectativa é atrair estabelecimentos de vários segmentos e preços.

Voltar Topo Enviar a um amigo Imprimir Home